Em meio a resoluções de clichê de fim de ano, resolvi botar a casa em ordem no lado financeiro. Falar de dinheiro pra alguns é algo trivial, eu tenho certa dificuldade, acho no mínimo chato. Pior ainda é lidar, organizar e não perder dinheiro do ponto de vista econômico, fora o controle do dia-a-dia que por si só já é meio desafiador.

E é por essa dificuldade imensa que resolvi fazer um intesivão nos últimos meses e gostaria de pelo menos chamar um pouco da atenção ao assunto (lembrado que não sou nenhum especialista - não tome nada como verdade).

Bom, nem tudo é novo, algumas coisas são matemática básica e de conhecimento popular. Por exemplo, pra economizar algum dinheiro você, no mínimo, tem que gastar menos do que ganha.

Não vou fazer nenhum tipo de propaganda, nem jorrar siglas aqui, procure por informação caso alguma idéia te chame atenção. No fim das contas, o dinheiro é seu e ninguém vai cuidar melhor dele que você (ou pelo menos, sem ganhar alguma coisa em cima do seu dinheiro).

Período pré-investimento

Cada um sabe o sapato onde aperta, isso quer dizer, não existe nenhum ideal de valor ou de sacríficio que funcione pra todo mundo, descubra seus limites e seus objetivos.

Falar de objetivos é vago, se você tem alguma dívida, nem que seja uma compra "planejada" em parcelas, tenha como objetivo acabar com todas as suas dívidas. O motivo é bem simples, difícilmente um investimento vai render mais dinheiro do que os juros cobrados (não importa se é rotativo do cartão, cheque especial ou financiamento).

Ou seja, não adianta investir se tem algo comendo o dinheiro que estaria rendendo em alguma aplicação, não há ganho real nisso.

Segundo, qual é o valor mínimo que você consegue viver mensalmente ? Não cometa excessos aqui, esse mínimo não é o mínimo possível, mas o mínimo que funciona sem você sentir um peso em viver com menos.

Pense o seguinte, se tudo desse errado mês que vem, qual seria o valor necessário pra você ter um mês igual ao que passou (sem as luxúrias opcionais) ?

Compare esse valor com o quanto você recebe e você vai ter o seu limite de economia. Em algum momento poderá ser mais, em outros menos, mas no geral é próximo dessa linha.

Uma estratégia básica antes de definir seus objetivos pra investimento é justamente se proteger contra eventuais problemas que possa acontecer, como despesas médicas, com carro ou casa.

Com o seu valor mínimo definido, multiple o valor por 6 e terá sua reserva de segurança. Sim, 6 meses de vida digamos assim, assegurados pra qualquer eventualidade. Parece um pouco demais, mas esse valor já me salvou muitas vezes e me deu uma liberdade muito grande de escolha em momentos de crise.

Tenha em mente que sua reserva de segurança não é um valor para investimento, ele precisa ter liquidez, ou seja, disponível assim que você precisar. Mesmo que você resolva investir esse valor, priorize liquidez ao invés da rentabilidade.

Uma nota pessoal, eu levei mais de um ano pra conseguir guardar a reserva de segurança na primeira vez, não desista. É difícil resistir a idéia de gastar e depois repor, mas com o tempo você vai perceber o quanto essa segurança vale. Um exemplo, já pensou em largar tudo e ter um tempo só pra você, mudar de área talvez ? Que tal 3 meses ? Acho que é um bom tempo pra algo além de um descanso e com sua reserva feita, ele acaba de ser opcional no momento em que você quiser.

Investindo

Ninguém ou quase ninguém guarda dinheiro só por guardar. Seria triste viver assim, então defina objetivos de curto, médio e longo prazo.

Pessoalmente, eu uso as seguintes faixas:

  • 1~3 anos: curto prazo, exemplo: viagem, bens materiais de uso diário, como celular, notebook, etc
  • 3~7 anos: médio prazo, exemplo: imóvel, carro, empreendimento, etc (se estranhou imóvel aqui, é um bom sinal pra estudar mais sobre educação financeira)
  • 7+ anos: longo prazo, exemplo: imóvel, aposentadoria...

Saber seus objetivos, não só te dá uma meta, dá uma motivação. Mas do ponto de vista econômico, digamos que seus objetivos vão justificar os investimentos.

Imagine que você economizou um certo valor e tem certeza absoluta que não vai precisar dinheiro. A menos que o retorno seja bom, não faz muito sentido aplicar esse valor no curto ou médio prazo, uma vez que rendimentos maiores podem vir em aplicações mais longas, certo ? (ps. estude juros compostos)

Do mesmo jeito, não faz sentido investir no longo prazo se você acredita que vai precisar do dinheiro daqui 1 ano aproxidamente. Assim, escolher um investimento é uma tarefa de balancear seu orçamento com seus objetivos e seguir com o plano.

Lembra da sua reserva de segurança ? Provavelmente, ela é a que menos "rende" então vai aqui uma lista de idéias pra ela não ficar parada (mas tenha disciplina):

  • empréstimo pessoal e com juros: sim, empreste dinheiro pra você mesmo e pague juros pra você. Exemplo, você quer comprar um computador em 12x de R$ 250 reais. Pague à vista com o dinheiro e deposite 12x de R$ 260 pra você (ps. não comprometa mais do que 1/3 do valor da reserva)

  • invista em educação: cursos, especializações, eventos da sua área, não necessariamente pague juros pra você por isso (e não comprometa mais do que 1/3 da reserva a menos que tenha disciplina e seu emprego seja estável no período)

  • semelhante ao primeiro item, você pode usar o cartão de crédito para pagar as parcelas (e juntar milhas ou outros bônus do cartão), mas lembre do seus juros e que o cartão geralmente tem anuidade. Ou seja, adapte o limite do seu cartão pra 1/3 da sua reserva aproximadamente.

  • lembre que sempre que você repõe sua reserva de segurança, é menos dinheiro investido de fato. Calcule seus riscos em comparação aos seus objetivos, como atrasar um ou mais anos, no longo prazo

Outra coisa, a menos que você não tenha trabalhado pra conseguir seu dinheiro, nunca invista sem estudar antes. Se informe o suficiente para saber o que está fazendo, não caia em armadilhas emocionais, seja pragmático e tenha o resultado como foco.

Nâo vou dar nenhuma dica ou sugestão de investimento, nem se preocupe em "perfis" de investimento, com conhecimento você vai ter mais segurança pra medir risco e retorno e decidir sozinho o que é melhor pro seu dinheiro.

Um último detalhe, nunca acredite no seu banco/gerente. E poupança não é investimento (mas uma parte da sua reserva pode ficar lá por conta da liquidez).

Conclusão

Espero pelo menos ter despertado um pouco a curiosidade de algumas pessoas. O assunto é chato, nem depois de estudar um pouco eu o considero interessante. Mas acredito na educação financeira, são tantos exemplos no dia-a-dia de pessoas tomando decisões erradas, produtos financeiros que são comercializados através da ignorância alheia, é triste, mas tem saída.

Não mencionei algo muito importante na área financeira, que é a inflação. Ela basicamente, valoriza ou desvaloriza seu poder compra, então estude o assunto e tenha em mente que ela se aplica em praticamente tudo financeiramente (incluindo sua reserva de segurança).

Uma idéia pra ficar como motivação: já pensou em se aposentar antes do previsto ? Aos 40 por exemplo ?

Esse cara se aposentou aos 32. Meio radical, mas a estratégia é válida pra qualquer faixa etária.

o/

Say something